Red.: Marcos Felipe

No terceiro dia de ocupação da Residência Universitária do Icsez-Ufam, acadêmicos reuniram com a diretora do Departamento de Assistência Estudantil (Daest), Mônica Barbosa, que esteve representando a reitoria da Ufam-Manaus. No encontro foi debatida a celeridade no processo de habitação da casa; a abertura de um novo edital para vagas remanescentes, e ainda o esclarecimento sobre a construção do muro.

Reprodução / CNA7

Mônica afirmou aos estudantes que a casa começaria a ser habitada no início de janeiro. Nos dias 7 e 8, as mulheres entrariam por primeiro e nos dias 9 e 10, os homens ingressariam na casa. Porém, devido à pressão dos estudantes, que não aceitaram o prazo estabelecido, Mônica se reuniu a noite com a direção da UFAM com o objetivo de tentar abreviar a habitação do prédio. Um novo edital será aberto para preenchimento das vagas remanescentes, uma vez que nem todas disponíveis foram acessadas. Em relação à construção do muro, Mônica respondeu que não é da competência do Departamento de Assistência Estudantil, e sim da direção da UFAM, e não cabe a ela responder por tal.

Após a reunião, os alunos decidiram manter a ocupação. As portas dos apartamentos continuaram fechadas e os alunos dormiram esta noite ainda nos corredores da casa universitária.

Reprodução / CNA7

Nesta quinta-feira (22), no quarto dia de ocupação, por volta das 8 horas, os acadêmicos revoltados com a situação, decidiram ocupar a sala da direção do Instituto para cobrar do diretor José Luiz as chaves dos apartamentos.

Após conversa entre as partes, o diretor prometeu para às 18 horas desta quinta-feira (22), o início do processo de habitação dos alunos, que após quatro dias de ocupação poderão de fato adentrar os quartos da casa universitária.