Red: Cleimer Carneiro

No mundo inteiro Milhares de pessoas celebraram o nascimento de Jesus com o verdadeiro espírito que o salvador representa para os cristãos. Aqui em Parintins, no dia 24 de dezembro as igrejas lotaram de fieis.

Já no dia 25, a maioria das igrejas estavam vazias, ausência do cristão na missa se deu pelo fato da maioria das famílias terem decidido comemorar o nascimento de Jesus de uma outra forma.

De acordo com o bispo dom Giuliano Frigeni, o cristão esqueceu o verdadeiro sentido da fé e decidiu sacrificar a própria vida.

Enquanto as igrejas estavam vazias, nos hospitais, os leitos e corredores não cabiam mais ninguém com tantas vitimas da hipocrisia, numa cidade em que a maioria do povo se diz católico.

O bispo em sua fala ao jornalismo Alvorada descreve a forma de agir do povo: Esquecendo o verdadeiro espírito que é o natal do senhor.

“Quanto mais vazias ficam as igrejas no dia de Natal, mais lotados ficam os hospitais. Gente bêbada, esfaqueada, vítimas de brigas e acidentes de trânsito causados pelas bebidas alcoólicas. Eles fazem da festa um motivo para esquecer a vida. Ao contrário da nossa liturgia. É o negócio triste. O natal que deveria ser a festa da família, pois Cristo nasce em uma família.

O cristão tem que aprender que não se pode separa a fé da vida. Uma vergonha para uma cidade que tem raízes católicas, raízes cristãs.  O Natal é Deus presente entre nós. Deus se fez homens para nos ensinar a sermos homens”, disse dom Giuliano Frigeni, bispo da Diocese de Parintins.