A presença de animais soltos em via pública na zona urbana e periurbana de Parintins é um problema antigo, e que só se agrava a cada ano. A situação tem causado transtorno e prejuízo aos condutores de veículos motorizados.

Na última quarta-feira, dia 3, Rondson da Silva Gama, de 36 anos, colidiu com um cavalo na estrada do Macurany, próximo ao Residencial Vila Cristina, em frente à Escola Santa Luzia.

Por telefone, são muitos os relatos ao departamento de jornalismo da Alvorada de moradores denunciando a presença de animais transitando livremente por ruas e estradas de Parintins.

A reportagem do Jornal da Alvorada procurou a Agência de Defesa Agropecuária e Florestal do Estado do Amazonas – Adaf Parintins, responsável por emitir o Guia de Trânsito Animal (GTA), para tomar ciência da atuação do órgão diante de fatos desta natureza.

José Raimundo de Souza, gerente local da Adaf comenta que sobre o fato acontecido quarta-feira, na estrada do Macurani, o ferro de identificação do animal foi notificado e o proprietário será autuado. Ao ser questionado sobre a atuação da Adaf em casos de animais soltos em via pública, José Raimundo afirma que a Agência age mediante a um zoneamento de área.

“Não podemos dizer se a propriedade pode receber ou não aquele animal, isso é responsabilidade da Vigilância em Saúde”, disse José.

A coordenadora de Vigilância em Saúde do Município, Elaine Pires afirma que a Vigilância só deve atuar quando se tratar de animais doentes, com risco de transmissão a humanos.

“De acordo com o código de postura do município, é proibido a criação de animais na área urbana da cidade. A responsabilidade é do proprietário em caso de acidentes”, comentou Elaine.

Red.: Marcos Felipe