Alvorada Parintins

Após fugas, tropas são enviadas a Maués para conter crise em presídio superlotado

Unidade Prisional abriga, hoje, 91 presos - dos 45 previstos. Em dois dias foram registradas oito fugas e duas tentativas

Em dois dias, a Unidade Prisional de Maués teve oito fugas e duas tentativas. Tudo isso acontece em um presídio localizado a pouco mais de 270 km de Manaus, construído há mais de 30 anos. Com capacidade para 45 presos, hoje, abriga 91. Em situação de emergência, com uma superlotação de 202%, a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) vai encaminhar, com urgência, uma tropa para conter a crise na cidade.

De acordo com o secretário coronel Marcus Vinicius Almeida, é preparado, junto à Casa Militar, o transporte aéreo de uma equipe com agentes e policiais militares à disposição da secretaria.

Um engenheiro vai acompanhar a equipe, para vistoriar e ajudar com reparos a curto prazo na estrutura do presídio que, segundo o coordenador local da unidade, Ademar Gruber, o prédio sofre intensa deterioração.

“Esse presídio foi construído a mais de 30 anos. Está com péssimas condições estruturais, as paredes e alvenaria estão completamente deteriorados. Os portões das celas e pavilhões, completamente carcomidos pela ferrugem, em condições catastróficas, e com uma insegurança muita grande”, detalha o coordenador.

A Seap trabalha com planos a curto e médio prazo para conter a crise carcerária na cidade de Maués. Entre os oficiais que devem voar até a cidade, além de reforço intenso no presídio, policiais ajudaram na busca dos fugitivos – considerados de alta periculosidade. Esta é a medida a curto prazo.

Em médio prazo, o plano da Seap é lutar para a liberação da verba federal da construção de um presídio de segurança máxima que está com obras paradas na cidade de Maués. A proposta é intensificar as negociações para desafogar a antiga carceragem que não suporta a superlotação da unidade.

Fugas

Oito presos fogem de presídio no interior do AM; fuga ocorreu por buraco em uma das celas — Foto: Divulgação/PM-AM

Na madrugada de domingo para segunda-feira (2), oito presos fugiram. Dois deles respondem por homicídios, a outra maioria por tráfico de entorpecentes. Todos seguem desaparecidos. Eles conseguiram escapar de dentro da cela de segurança do presídio, localizada logo abaixo ao posto da PM. Eles conseguiram arrancar uma barra de ferro e sair.

Na madrugada desta terça-feira (3), as duas presas que, assim como todas as mulheres lá presas, ficam em uma sala improvisada para mulheres, conseguiram subir pelo forro da cela feminina e passar por cima da sala de administração. Elas foram paradas pela Polícia Militar já quase na saída.

Hoje, ainda segundo o coordenador do presídio, o quadro de funcionários para manejar os 91 presos é composto por três agentes disponibilizados pela Seap e um policial militar. A situação é considerada grave, tanto pela gestão local quanto estadual.

Por Izabella Pina | G1 Amazonas
você pode gostar também