Caro leitor,

Nesta coluna do nosso site, registraremos um pouco das histórias marcantes de muitos Ex-jogadores do futebol Parintinense. Aqui eles contam um pouco dos melhores momentos que viveram quando ainda jogavam bola. Muitos tiveram oportunidades de atuar em equipes a nível nacional e internacional. Para muitos são momentos inesquecíveis, tempos bons que não voltam mais.

Tudo isto, foi preparado com muito carinho e responsabilidade, baseado nos relatos de cada um, e confirmado por muitos que vocês irão ler.

 

 

Sérgio Brasil de Souza, 70 anos, é conhecido desde sua infância por “Sacurá”. Nasceu em 07 de setembro de 1945, em Monte Alegre, Estado de Pará. Antes de chegar ao Amazonas, morou nas cidades paraenses de Alenquer e Santarém. Viúvo, tem sete filhos, fruto de um casamento que durou mais de 40 anos.

Começo

Iniciou sua vida no futebol em 1962, no Clube São Francisco de Alenquer, depois foi para o Botafogo da segunda divisão. Em 1963 foi para o Anhingal jogar na primeira divisão. Em 64/65 foi para Santarém, onde atuou no São Francisco por um curto período, aproximadamente, seis meses.

Em 1968 chegou a Parintins, já com 23 anos de idade quando uma equipe de Parintins foi até Monte Alegre e trouxeram cinco jogadores. Com o tempo, quatro dos cinco atletas retornaram e Sacurá permaneceu na cidade, onde iniciou sua jornada no time do Nacional Esporte Clube. Foram 14 anos de dedicação ao time de 68 a 82.

 

NACIONAL CAMPEÃO 71

 

Conquista

Como atleta, conquistou jogando pelo Nacional três títulos. Para Sacurá a conquista do título em 1971 ainda é uma marca inesquecível. “Nesse ano nossa equipe era um timaço. Os atletas eram como uma família. Havia união entre o grupo e fomos campeões invictos. Nesta partida, marquei dois gols e o Jurandir marcou o terceiro gol”, declarou o atleta. Ele conta que nesse jogo um torcedor pôs em prêmio um rádio para o atleta que fizesse o gol da vitória. O time ganhou mais quem recebeu o rádio foi o Jurandir. “Eu marquei dois gols e o Jurandir marcou só um e ficou com o radio – não foi justo”, brincou Sacurá. Entre os atletas campeões esta Raimundinho (Goleiro – Falecido), Jurandir, Fernando, Mota, Sacurá e Sergio. (foto)

 

NACIONAL BI CAMPEÃO 75 E 46

 

Bi campeonato

Nos anos 75 e 76 a equipe do Nacional Esporte Clube conquistou mais dois títulos. Segundo o Ex-jogador, nos dois anos a diretoria do formou uma grande com jogadores de habilidade e raça. Na conquista de 1976 estavam os jogadores de pé (foto): Edmar, conhecido por (Tigre de Roraima), Plinio (goleiro), Tenório, Barna, Livio, Moacir Farias (Presidente-falecido), Gato, Fran, Bené, Guerry, Ze Belem (membro da diretoria – falecido). Agachados esquerda para direita: Valdemir, Zequinha, Manauara, Flavio (Falecido), Cabecinha, Mario Batalha, Sacaí, Sacurá e Teco (Falecido).

Enquanto jogador Sacurá ainda conquistou um titulo atuando pela Seleção Parintinense de futebol, por volta do ano de 1975, em Manaus.

 

Frustração

Em uma partida realizada pelo campeonato entre Nacional e uma equipe que Sacurá não tem na lembrança o nome do clube, um dos atletas da equipe adversária foi orientado a entrar em campo com objetivo te atingi-lo e tirá-lo de campo. O atleta atendendo ao pedido de quem o orientou a fazer tal façanha, em uma jogada desproporcional acertou-o com a chuteira na altura da coxa, lhe deixando fora do jogo.

 

Futebol Hoje

Sacurá não acompanha o futebol de hoje, apesar de ser botafoguense, quando era jovem passava maior parte do seu tempo jogando bola, era pela manhã, tarde e noite. “Deixei de ir ao estádio desde quando vi um episódio que me chocou muito, em uma partida de futebol um jogador deixou de chutar a bola para chutar a cabeça do goleiro. Este não é o futebol que vivíamos antes, no meu tempo o futebol era apaixonante, bonito. Tínhamos amor pelo que fazíamos”, concluiu.

Por: Nelselino Santarém