O Governador do Estado do Amazonas Wilson Lima, antes do seu retorno a Manaus, visitou prédio do Sistema Alvorada de Comunicação, na manhã desta sexta-feira (24), e concedeu entrevista ao programa Ciranda da Cidade.

Wilson Lima veio à Parintins lançar o ‘Amazonas Presente”, na última quarta-feira (22). O programa inédito do governo estadual oferece serviços através de órgãos do estado, à sub-regiões durante três dias. Na primeira etapa, o programa tem como polo Parintins e atende os municípios de Barreirinha, Boa Vista do Ramos e Nhamundá.

No ‘Amazonas Presente’, além das ações itinerantes, o governador monta um gabinete provisório, e o município polo se transforma em sede do governo do estado durante esses três dias.

Em Parintins, Wilson Lima anunciou mais de 61 milhões de reais em investimentos para a região. Foram realizados atendimentos na área da saúde, anunciados investimentos no setor primário, abertura de linha de financiamento para o pequeno empreendedor e anunciou liberação de 2 milhões de reais para os pequenos produtores , ainda em 2019.

“Estou muito feliz de começar este programa por Parintins. Um resultado muito positivo e é uma valorização do Governo do Estado ao homem do interior, que por muito tempo ficou relegado a um segundo plano”, disse o governador do Amazonas.

O jornalista Ednilson Maciel entrevistou o Governador Wilson Lima, durante o programa Ciranda da Cidade, na Rádio Alvorada | Foto: Altair Costa

Entrevista

Durante entrevista ao programa Ciranda da Cidade, acompanhado do prefeito de Parintins, Bi Garcia, o governador Wilson Lima falou sobre o lançamento do programa ‘Amazonas Presente’, investimentos e política.

“Estou muito feliz por iniciar o Programa ‘Amazonas Presente’ por esta região. Ao logo dos anos, toda riqueza do Amazonas, ou a maior parte dela, esteve concentrada na Capital, bem como os serviços de saúde, educação, segurança pública, e o interior ficou esquecido.”

Segundo Wilson Lima, a cada dois meses a sede do governo estadual será transferida para regiões do estado, juntamente com todo seu secretariado.

“Não há outra maneira de desenvolver o estado senão levando riqueza para o nosso povo. Quando falo de levar riqueza, é dar condições para o povo produzir. Quem está em Parintins, Barreirinha, Nhamundá, Boa vista do Ramos, quem está em uma comunidade como Mocambo, Caburi, região do Zé Açú, na Vila Amazônia, não quer sair do seu cantinho não. Ele quer continuar ali, mas com acesso a serviços. Ele quer ter energia elétrica, internet, um ramal recuperado com condições de trafegabilidade para que ele possa escoar a sua produção, para que Le possa gerar emprego e renda. E o estado tem um papel fundamental nesse processo, e é isso que estamos fazendo. Estamos levando dignidade ao povo que está no interior”.

Wilson também comentou sobre a falta de apoio durante a eleição.

“Em 2018, quando começamos a construção desse projeto, não havia um político com mandato apoiando esse plano, apenas o Luiz Castro, que era candidato ao senado. Do ponto de vista político, a minha eleição era muito improvável, pois o apoio que eu tinha era mínimo. Porque eu fazia parte de um partido (PSC), que não é um partido grande, e as nossas alianças eram restritas. Eu não tinha apoio no interior. As pessoas que me apoiaram no primeiro turno vieram espontaneamente e viam em mim esta esperança e esse momento novo. No segundo turno eu tive apoio de três prefeitos do interior. A maioria não me apoiou nesse processo. Mas eu estou vindo aqui, independente de quem é de esquerda, de direita, de ideologia e de apoios. Meu compromisso é com o cidadão, com o povo. Com essas pessoas que acreditam em mim e também com as pessoas que não acreditam em mim. Sou governador de 4 milhões de pessoas”.