Alvorada Parintins

Açougueiros são investigados por adulterarem Guia de Trânsito Animal

O caso está sendo investigado pela Polícia Civil, Adaf e a direção do Matadouro Osório Melo.

A Polícia civil investiga um grupo de açougueiros que está adulterando o Guia de Trânsito Animal (GTA) para dar entrada com seus animais no Matadouro Público Municipal Osório Melo. A denúncia foi feita pela Agência de Defesa Agropecuária e Florestal (Adaf) e pela direção do matadouro. O GTA é o atestado que confirma a origem dos animais que serão abatidos no Matadouro, entretanto, esse grupo de pessoas que compra o gado com o pequeno produtor está adulterando o guia, colocando um número maior do que o permitido de animais, nas autorizações para o abate. O caso é grave, pois com essa adulteração os mal-intencionados podem entrar com animais roubados no matadouro.

O diretor da Adaf, em Parintins, José Raimundo, explica que algumas dessas pessoas já estão sendo identificadas e tranquilizou a população, pois a questão já está sob controle, mas considera a ação criminosa. “Alguns marchantes estão comprando gado do produtor. Eles recebem esse GTA e na hora de adentrar ao matadouro, estão adulterando o documento. É importante avisar a quem imagina-se espertalhão que burlar o documento, adulterar o documento é crime”, avisa.

Ainda de acordo com Raimundo, o Boletim de Ocorrência já foi registrado e a polícia apura o caso, buscando identificar os envolvidos. “Estamos verificando, identificando quem tentou burlar o sistema e estamos tomando providências junto a Polícia Civil e à Delegacia local, uma vez que é inadmissível, o produtor em si, que é um cara humilde, é um cara honesto, cria seu gado, vende na confiança e aí o marchante se acha no direito de burlar e adulterar esse documento”.

O diretor da Adaf assegurou a parceria com o diretor do Matadouro, Sérgio Pessoa e que já estão recebendo as orientações da Polícia Civil e da Polícia Militar de como proceder na fiscalização da entrada de animais para o abate. “É importante deixar bem claro e dizer aos nossos amigos pecuaristas que estamos tomando as devidas providências e isso não vai prevalecer”.

Red.: Marcos Felipe
você pode gostar também