Alvorada Parintins

São Francisco Xavier: Uma nova paróquia na Diocese de Parintins

A nova paróquia abrange 48 comunidades, entre várzea e terra firme, da Gleba de Vila Amazônia, e tem Pe. Alexander de Brito Silva como seu primeiro pároco.

Fiéis católicos da Gleba de Vila Amazônia e das comunidades rurais festejaram o anúncio de elevação da área missionária São Francisco Xavier como a mais nova paróquia da Diocese de Parintins.

A missa festiva de instalação ocorreu as 08h30 da manhã do domingo, 21 de novembro, e foi presidida pelo bispo de Parintins, dom Giuliano Frigeni, e concelebrada pelos padres Dorival Nascimento, Marcílio Moutinho, Luiz Carlos, Orivaldo Costa e Alexander Silva. A celebração contou, ainda, com presença do povo cristão que, em caravanas oriundas das diversas comunidades ribeirinhas, foram prestigiar à nova paróquia. (Ouça a reportagem abaixo)

Na ocasião, padre Alexander de Brito Silva, missionário Fidei Donum da Diocese de Petrópolis (RJ), foi empossado como o primeiro pároco da paróquia em honra a São Francisco Xavier. Após a reflexão do bispo, o vigário geral da diocese de Parintins, padre Dorival Nascimento, leu o oficio de provisão de pároco.

Foto: Danila Baraúna

No final da celebração, Padre Alexander agradeceu a dom Giuliano pela confiança no serviço pastoral e sentimento paternal, ao clero diocesano pela acolhida o que, segundo ele, o fez não se sentir sozinho. Também agradeceu aos funcionários, conselho pastoral e econômico, às irmãs religiosas vicentinas, às lideranças de comunidades e de pastorais e, também, a todos os novos paroquianos. “Quero pedir ajuda e orações. Não apenas ajuda material, mas uma ajuda de sermos comunitários em nossas comunidades, anunciar o reino, fazer bem as celebrações, trabalhar, pela catequese, com a juventude. Tem muita coisa a fazer pelo Reino de Cristo e a glória de Deus”.

Dom Giuliano afirma que a criação da paróquia de São Francisco Xavier demonstra o caminho de maturidade e de fortalecimentos dos cristãos. “Nesse dia, em que Cristo é proclamado Rei do Universo, é o dia mais bonito para poder criar uma nova para paróquia, sinal de maturidade de um caminho que aconteceu e fortalece caminho comum”.

Foto: Danila Baraúna

Dona Marildes Nogueira da Silva, saiu do Mocambo e foi até a Vila Amazônia vivenciar o momento histórico da diocese, em especial ao povo da Vila Amazônia, e prestigiar o amigo padre Alexander como novo pároco e desejar bom trabalho de pastoreio. “Muita confiança em Deus, de fé, que ele pode se sentir à vontade, que ele possa contar conosco. Como missionários leigos a gente tá aqui pra apoiar. Vamos rezar pra que ele possar perverar nessa caminhada”.

Já ministro extraordinário da Sagrada Eucaristia, Glacenildo Freitas, disse estar feliz com a instalação da paróquia e conclama maior esforço das comunidades. “Para nós, ao mesmo tempo é alegria, e já vem até um pouco de preocupação porque vamos ter que caminhar com as próprias pernas.  Nossas comunidades vão ter que se esforçar mais, trabalhar de forma mais unida”.

Mas não há com o que se preocupar, assim testemunham a vida e a missão das irmãs religiosas da Companhia das Filhas da Caridade de São Vicente de Paulo (as vicentinas), que há anos prestam um serviço de amor pelo povo da Vila.

Nesse sentido, não se pode falar da Vila Amazônia sem mencionar o árduo trabalho dessas mulheres vicentinas que muito contribuíram no processo de construção e de evangelização da nova paróquia.

Foto: Pe. Dorival Nascimento

Irmã Selma Liduína Abreu Novaes conta que os desafios da missão na Vila Amazônia e comunidades rurais são incontáveis: falta de transporte, dificuldade financeira, distancias geográficas, são alguns dos empecilhos que aparecem no caminho evangelizador. Mas a animação não diminui o ardor missionário, pois o amor a Jesus Cristo, a fidelidade ao carisma de São Vicente e o apoio incansável do povo de Deus superam os obstáculos.

Irmã Selma ressalta que a partir de agora, cada cristão católico, deve assumir as suas responsabilidades e compromissos pastorais para que a paróquia São Francisco Xavier possa manter a sua autonomia.

“Que cada possa assumir, de fato, essa responsabilidade. O nosso grande desejo era que essa igreja se tornasse autônoma. Então, que cada um possa fazer a sua parte assumindo a sua missão leiga, assumindo seu compromisso cristão para que, assim, a gente possa ser uma Igreja, de fato, madura, autônoma, e que a gente possa se ajudar e crescer juntos”.

A Paróquia de São Francisco Xavier prestará serviços pastorais a 48 comunidades rurais. Há muito trabalho pela frente, cabe a cada cristão e comunidade a importante dedicação no trabalho evangelizador de anuncio da Mensagem do Evangelhos a lugares ainda mais distantes.



Histórico

Padre Orivaldo da Costa, um dos sacerdotes que passou pela Vila Amazônia, escreveu um breve histórico daquela região. Deixemos que ele mesmo nos conte a história.

A Vila Amazônia é marcada no século XX pela presença de japoneses que aí viveram de 1931 a 1942. Falavam japonês e viviam da agricultura e da criação de animais. Em 2001, conheci o Sr. Nelito e a Dona Jandira, pais da Isabel que contavam muitas coisas sobre a Vila. Por exemplo, o Sr. Nelito escrevia em um caderno o nome de todas as crianças que aí nasciam. Dona Jandira, aprendera japonês ainda criança com as crianças japonesas da Vila Amazônia. Numa ocasião, um japonês ao entrevistar a Dona Jandira levou consigo um intérprete e, para a sua surpresa, ela respondia sem precisar que o intérprete lhe traduzisse as palavras do japonês para o português. Fora um aprendizado lúdico, pois a então criança Jandira brincando com as crianças japonesas aprendera seu idioma.

Outra presença na Vila Amazônia no século XX foram os portugueses. Após a 2ª Guerra Mundial, eles construíram na Vila as primeiras casas de alvenaria, com destaque para o casarão à margem do Rio Amazonas. Construíram também a Igreja de Nossa Senhora de Fátima.

Quando os Padres do PIME chegaram a Parintins, a Vila Amazônia era pastoralmente assistida pelos Padres Redentoristas. Ao iniciar a Prelazia em 1955, os Padres do PIME assumem o trabalho pastoral de todo o território da recém-criada Prelazia de Parintins.

Os Padroeiros da Vila Amazônia, são a saber, São Francisco Xavier e Nossa Senhora de Fátima remetem-nos às duas presenças acima citadas: São Francisco Xavier, padroeiro das Missões, saiu da Europa e chegou para evangelizar as Índias (Índia, China, Japão e outras linhas da Ásia). Ora, se aqui passaram os japoneses e cultivaram esta terra, a Vila Amazônia torna-se um lugar de acolhida para um povo ao qual São Francisco Xavier quis levar a Boa Nova. A propósito, eu pedi ao Sr. Zeferino que fizesse um hino ao Padroeiro e, ele, com toda a sua poesia, compôs o hino que começa com as seguintes palavras: Francisco Xavier, o Cristo te chamou a pregar a Palavra do Reino com amor.

Nossa Senhora de Fátima, remete-nos à segunda presença: os portugueses, povo católico que levou a fé para os povos do além-mar. Nossa Senhora tinha aparecido aos três pastorinhos em 1917 em Portugal. É de admirar que em três décadas depois aqui na Vila Amazônia chegue a mesma devoção. Que graça pensar que Maria verdadeiramente ama seus filhos da Amazônia.

A Vila Amazônia nas últimas décadas do século XX era assistida pastoralmente pela Paróquia do Sagrado Coração de Jesus, cujo Pároco era o Padre Francisco Luppino, auxiliado pelo Padre Gabriel Módica que visitava toda área rural da Gleba. Na última década do século XX foram construídas a Igreja de São Francisco Xavier, a Casa do Padre e a Casa das Irmãs. Estar in loco o Padre e as Irmãs, com a ajuda dos leigos, para que o Evangelho alcance a todos.

Os Padres João Andena e Egidio Mozzato, na década de 90, assistiam pastoralmente a Vila e toda área missionária. Quando a Casa do Padre ficou pronta, veio morar nela o Padre Ornello Tonini, porém, pouco depois foi eleito ecônomo do PIME e deixou a Vila para morar em Manaus.

Em 1999, Dom Giuliano, oficialmente eleva a Gleba de Vila Amazonia, a Área Missionária, assim permanecendo até o dia 13 de maio de 2021.

As Irmãs Filhas da Caridade, vieram para a Vila e dedicaram-se à educação das crianças e à Evangelização. Desde então passaram várias religiosas pela Vila até os dias de hoje.

Eu estive na Vila de Janeiro de 2001 até março de 2004. Mais tarde, esteve também o Padre Romanello, sendo dois Padres, ajudávamos reciprocamente no serviço pastoral, auxiliado pelas Irmãs e leigos. Eu era professor na Escola Otávio Guedes, o que me colocou em contato com os professores, alunos e as famílias dos alunos.

Em 2001, a Campanha da Fraternidade tinha como lema Vida sim, drogas não. Naquele ano, fizemos as Festas de Nossa Senhora de Fátima e de São Francisco Xavier sem bebidas alcoólicas, sabendo que, naquela época, o alcoolismo era causa de muitos problemas na Vila e em toda a área.

A Vila Amazônia é terra de vocações. Pensemos in memoria a Irmã Jaciara, Filha da Caridade, Padre Luís Carlos e Padre Sebastião, filhos da Vila. A vocação vem de Deus e é cultivada na família e na comunidade cristã. Sob a proteção de São Francisco Xavier e de Nossa Senhora de Fátima coloquemos as famílias da Vila!

Vários sacerdotes passaram por nossa Vila Amazônia, como Administradores e auxiliares (vigário), são eles:

  • De 2004 a 2009 Padre Benjamim, tendo como auviliaro Padre Gabriel Modica.
  • Em 2004 o Diácono Ednilson auxiliou o Padre Benjamim
  • Em 2005 janeiro o Seminarista Irineu auxiliou o Padre Benjamim. Em 17 de abril o Seminarista Irineu foi ordenado Diácono e continuou na Vila até agosto do mesmo ano.
  • Padre Irineu 2009 a 2011(final do ano) tinha como auxiliar o Padre Gabriel Modica (principalmente para a celebração dos Sacramentos)
  • Padre Carlos Caridade 2012 (fevereiro a dezembro)
  • – De maio a dezembro do mesmo ano o Padre Caridade ficou atendendo a Vila e o Sagrado), tendo o Padre Gabriel Módica como auxiliar.
  • Padre Arilton 2013 a 2020 tendo o Padre Marcelo como auxilia entre os anos de 2019-2020.
  • Em 08 de março de 2020, assume como Administador o Padre Alexander de Brito Silva, vindo como sacerdote Fidei Donum tendo como auxiliar, Vigário o Padre Luís Carlos, filho da Vila Amazonia, Pe. Luis foi trsnsferido para a Paróquia de Lourdes como Vigário paroquial, e o Pe. Alexander permanece até o dia de hoje.

Em Março de 2020, Dom Giuliano Frigeni, Bispo de Parintins, leva ao Pe. Alexander de Brito Silva, a proposta de articular a organização da Área Missionária para que esta depois de 20 anos como Área Missionária, possa dar o passo de virar Paróquia, e hoje, 13 de maio de 2021, assim nesta data demos o primeiro passo rumo a esta realidade, que é a graça de Deus de se tornar Quase- Paróquia de São Francisco Xavier , tendo a sua data confirmada para ser elevada a quase Paróquia em 21 de novembro de 2021, Solenidade de Cristo Rei do Universo, isto é, hoje.

São muitos os desafios, tais como: escassez de recursos, desafios geográficos, mas os dons de Deus são infinitamente maiores, temos um povo bom e generoso, jovens dedicados, vocações, líderes pastorais e administrativos que colocam sua vida e dons para que seja tudo Vida e Missão neste chão!

Deus abençoe este lindo passo que estamos dando no dia de hoje! Amparados por aquele que é Cristo Rei, aquele que nos convoca à Missão!!

Decreto de elevação da Paróquia em honra a São Francisco Xavier

 

Ata de instalação 

 

Provisão de Pároco

Relacionadas
Deixe um comentário