O ribeirinho Josimar Pereira, morador do Repartimento do Limão, solicita por telefone ao Jornalismo Alvorada por uma explicação da Amazonas Energia quanto a ausência na distribuiçãoda rede elétrica na comunidade.

De acordo com o relato do morador, o problema se encontra no fio subaquático que interliga a energia do Programa Luz para Todos, o qual foi, pela segunda vez seguida, propositalmente cortado a golpe de terçado.

Toda região do entorno se encontrava no escuro há cinco meses, porém na semana passada, os técnicos da Amazonas Energia conseguiram restabelecer a distribuiçãona área. Acontece que na mesma semana, o Repartimento voltou a ficar sem energia.

Após investigação dos moradores, foi constatado mais uma vez trata-se de um corte na base do fio subaquático que fica na margem do rio.

Josimar Pereira fala das dificuldades enfrentadas pelos moradores do Repartimento do Limão: “Uma pessoa mal intencionada deu golpes de terçado na afiação e a falta de energia atinge mais de 20 casas prejudicando a comunidade, que inclusive, está em festa”.

A equipe de reportagem conversou por telefone com a gerente da Amazonas Energia em Parintins, Francilvane Rodrigues, e ela explica que infelizmente o problema é mais uma vez é causado por desocupados que por algum motivo cortam propositalmente a base do fio subaquático que leva energia à comunidade.

Francilvane explica que um investimento muito alto foi feito para realizar os reparos na região, e que na semana passada o sinal foi restabelecido para toda área conhecida como Muratinga, incluindo o Repartimento do Limão. Porém o ato devandalismo voltou a acontecer. Devido a esse problema, a gerente explica que já realizou um Boletim de Ocorrência para apurar o caso e encontrar o indivíduo que causa os cortes na fiação elétrica.

Quanto a um prazo para o retorno da energia ao Repartimento do Limão, Francilvane afirma que infelizmente não tem como estipular uma data no momento, e que o problema pode perdurar por alguns meses. Ela ressalta no entanto que já comunicou seus superiores quanto ao problema.

Ela explica que a demora deve acontecer porque o fio subaquático é muito caro e não há disponíveis em Parintins e nem em Manaus. A gerente pede aos moradores que a ajude a identificar o autor do vandalismo e denuncie ocaso à Polícia.

Red.: Marcos Felipe